Seja bem-vindo ao Chris Evans Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre o ator Chris Evans. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu abaixo e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
nosso foco estará agora em nossas redes sociais; acompanhe-nos abaixo!
mais
curta a nossa página do facebook e não perca nada!

anúncio
01.05.2018
postado por Iana Santana e categorizado como Entrevistas, Os Vingadores: Guerra Infinita

Traído pelo sistema. Expulso pela liderança de seu amado país. De repente, amargamente em desacordo com amigos de longa data. Com certeza tem sido filmes difíceis para o Capitão América de Chris Evans.

“O governo e as forças armadas sempre procuravam a ordem e o senso de casa”, diz Evans, nativo de Sudbury, falando por telefone de Nova York. “Em‘ O Soldado de Inverno ’, quando aqueles falharam, sua família escolhida se tornou a coisa que ele colocaria em seu tempo. Então, na “Guerra Civil”, isso se desfez.

O público que procura o velho Steve Rogers, super soldado, pode ter que sentar-se um pouco para assistir “Vingadores: Guerra Infinita”. “Tem havido esse período de tristeza e desilusão, em que você entra em si por um tempo”, ele disse. continuou. “Mas vamos vê-lo ressurgindo e se reconectando.”

Evans, 36 anos, compartilhou pensamentos sobre o novo filme – e sua turnê de sete anos como Capitão América – durante um dia de folga de sua estréia na Broadway, “Lobby Hero”, um revival de um drama escrito por “Manchester by the Sea”. -diretor Kenneth Lonergan.

P. Você vem sendo o Capitão América desde “O Primeiro Vingador” em 2011. O processo de fazer esses filmes mudou para você?

R. Durante os primeiros filmes, eu estava um pouco sobrecarregado. Você é grato por estar lá, mas também se sente intimidado pela magnitude e pela responsabilidade. Mas quando você se torna mais e mais confortável com o processo, tudo se eleva em uníssono. As pessoas com as quais você está trabalhando começam a se tornar familiares, você se torna muito mais familiarizado com o modo como essas coisas ganham vida e você pode começar a ser mais preciso e envolvido.

P. O que é mais gratificante sobre a maneira como você conseguiu desenvolver o CA nesses muitos filmes?

R. É emocionante realmente crescer com um personagem e encontrar um arco mais amplo e de longo prazo, em vez de ter que realizar algo em uma hora e meia. Mas para ser honesto, nada disso realmente funcionaria se não fosse pelo pessoal da Marvel. Eles se importam muito com os personagens porque são eles mesmos fãs. Você faz apenas uma coisa pequena e então fica de pé sobre os ombros.

P. Com quais atores você mais interage com o elenco da “Guerra Infinita”? E os pareamentos da Marvel são puramente sobre a história, ou a química figurada nela?

R. Eu acho que eles levam em consideração muitas coisas – que os fãs gostam de assistir juntos; de quem os personagens se beneficiam, com base em suas naturezas, para onde estão tentando enviar cada um. Sem estragar nada, eu diria que tenho um monte de coisas com a Scarlett [Johansson] novamente desta vez. Uma das linhas de sustentação da CA foi sua relação com a Viúva Negra. É uma amizade improvável, onde eles realmente dependem um do outro de uma maneira muito específica.

P. O aspecto físico de ser o CA e o pedágio ainda é comparável a quando você começou?

R. Não, eu definitivamente posso me sentir envelhecendo um pouco. Houve alguns momentos no roteiro onde eu os li e pensei: “Uau, isso vai ser um desafio.” Ainda é divertido ir trabalhar e realmente se jogar por aí, e é recompensador ir para casa naqueles dias e sinto que você contribuiu e deu tudo que você tinha. Mas certamente é um pouco mais difícil acordar na manhã seguinte [risos].

P. Se há alguma parte da iconografia do CA que as pessoas agora consideram especificamente como um toque de Chris Evans, o que você espera que seja?

R. Ser altruísta sem ser hipócrita. É um perigo – ele é um personagem muito magnânimo, muito nobre, e eu acho que isso pode cair na piedade facilmente. Então, tentando manter a sensação de ser um bom homem sem, basicamente, ser chato.

P. Isso é um bigode que você está usando para o personagem policial que você interpreta no “Lobby Hero”. Os fãs devem se preparar quando o pegarem no circuito de publicidade dos “Vingadores”?

R. Sim, infelizmente, eu não posso tirar isso. Essa coisa está comigo no próximo mês.

 

Fonte: The Boston Globe

Tradução: Iana Santana

comente a postagem!