À partir de agora, todas as notícias relacionadas ao Chris Evans, sejam elas fotos ou entrevistas, por exemplo, serão postadas em nossas redes sociais. O site será para fins de divulgação de fotos e das redes sociais do CEBR. Acompanhe a seguir!
postado por Sara Teles e categorizado como Uncategorized
17.08.2020

Chris Evans espera que seu novo site e aplicativo possam ajudar os eleitores a fazerem escolhas informadas na eleição de novembro nos EUA

Chris Evans se tornou, há alguns anos, o “Vingador” mais politicamente afiado com seus tweets fulminantes sobre o presidente Donald Trump e seus apoiadores republicanos.

Mas o ator do “Capitão América” está relativamente quieto durante esta campanha presidencial. Ele quer, em vez disso, amplificar as vozes das autoridades eleitas.

No mês passado, Evans lançou um aplicativo e um site de engajamento cívico chamado A Starting Point, com vídeos curtos de membros republicanos e democratas do Congresso e de outros políticos dos EUA compartilhando perspectivas sobre questões políticas.

Com visitas regulares ao Capitólio, Evans construiu o site ao longo de dois anos ao lado do ator-produtor Mark Kassen, um amigo de longa data. Eles esperam mantê-lo por muito tempo depois da eleição de novembro.

“Isso nasceu da mesma razão que faço o que faço no Twitter. Você quer tentar ajudar. Você quer tentar usar a plataforma que recebeu da maneira certa”, disse Evans. “E parecia que isso poderia lançar uma rede mais ampla porque, na verdade, removeu minha política pessoal e apenas tentou oferecer informações às pessoas que podem querer participar.”

O site está dividido em três seções. Um inclui três republicanos e três democratas respondendo a perguntas sobre questões amplas de longo prazo, como: imigração, mudança climática, dívida estudantil e gerrymandering (prática de dividir um grande território em zonas eleitorais menores, dando vantagem à um partido político específico). O segundo permite que os políticos façam upload de mensagens individuais sobre tópicos atuais, como ordens executivas de Trump ou proibição de TikTok. E uma seção de “contrapontos” destaca debates moderados entre as partes: As escolas deveriam reabrir durante a pandemia? O governo deve exigir votação pelo correio?

O objetivo do site é educar, não panfletar, diz Evans. É construído sem incentivos para os extremos. Não há contadores de visualização, botões de gostar ou não gostar ou seções de comentários.

Alguns dos vídeos são verificados por um grupo externo.

“O motivo para fazer este site é combater a proliferação de desinformação”, disse Evans em uma entrevista de sua casa em Boston. “Grande parte da desinformação por aí vem de indivíduos que criaram essas plataformas e eles puxam fragmentos de informações para os lugares e criam uma narrativa. E é muita conjectura. E você espera que as autoridades eleitas que estão no cargo sejam as que tentam cortar isso.”

Evans, cujo tio serviu no Congresso como democrata por uma década no mandato que terminou no ano passado, diz que ele e Kassen tiveram de fazer muito esforço para convencer os republicanos a participarem. O ator de 39 anos emocionou os liberais no início do mandato de Trump, chamando o presidente de “Biff” e de “almôndega”.

Kassen disse que a reputação de Evans deixou a dupla com “uma colina a escalar” enquanto a dupla visitava escritórios ao redor do Capitólio apresentando sua visão de um local online imparcial: “Nosso trabalho duro e seu charme nos permitiram continuar. Mas com certeza havia muito desprezo em relação a nós por causa disso.”

Evans diz que está satisfeito em ver os republicanos enviarem mais vídeos de “pontos diários” para o site do que os democratas nas últimas semanas.

Enquanto ele se prepara para filmar um filme de espionagem da Netflix em janeiro, o autodescrito “viciado em notícias” diz que desligou temporariamente a campanha presidencial para se concentrar no A Starting Point. Sua mídia social é basicamente benigna atualmente.

“É uma medida de eficácia. Como você pode ser melhor, mais útil” disse Evans. “Este site me parece que poderia ter um impacto mais amplo do que qualquer coisa que eu pudesse fazer no meu Twitter individual.”

Por Ryan Pearson, Associated Press

 

Tradução: Amanda Gaia 

Fonte: NY Times

relacionado
22.10.2020
relacionado
06.08.2020
relacionado
01.08.2020
relacionado
23.07.2020
comente a postagem!